Páginas

segunda-feira, junho 06, 2011

Não custou caro...

"Quando eu ficava longos períodos sozinha em casa, fazia café. Eu que não gostava de café. O cheiro do café diminui a solidão. Minha arrogância era somente timidez. Eu não sabia reagir aos presentes, aos elogios, a essa felicidade súbita de ser agarrada pelas costas (que mania a do homem querer agarrar a mulher na cozinha, nunca entendi isso). Minha timidez piorou em prepotência. Parecia insensível por sentir demais. Parecia indiferente por excesso de atenção. Tanta coisa por dizer e ainda é pouca uma vida para se lembrar. Tanta coisa para calar e ainda é pouca uma vida para esquecer. Já notaste que uma mulher ao elogiar a roupa de uma outra, logo recebe de resposta que a peça "não custou caro". Bate a culpa pela vaidade. Por que nos explicamos? Por quê? Sobre tudo o que vivi contigo, eu respondo: "não custou caro". Sei que não é verdade. Sabes que vou arredondando os preços por baixo, para não causar nenhum atrito, nenhum ciúme, nenhuma inveja. Eu me vendi por menos, mas me comprei por mais."

Fonte: http://www.carpinejar.blogger.com.br/2004_03_01_archive.html

Nenhum comentário: